Cozinhar requer Responsabilidade

Imagine um lombo suíno ao molho de laranja com nozes acompanhado com um arroz de brócolis e salada de feijão fradinho. Delicioso não acha ? Pois bem, este simples e atrativo menu pode matar. Sim, matar. E fica a pergunta: quem será responsabilizado ?

Na onda dos “personal chefs”, empresas de alimentação de fundo de quintal e marcas, o publico consumidor fica exposto aos riscos de uma produção sem controle sanitário, inspeções técnicas e processos que garantam a segurança alimentar exigida por lei.

responsabilidadeNa teoria o Brasil possui umas das leis sanitárias mais completas do mundo, porem falta a sua real aplicação. Não vamos observar os outros países, aquilo que assistimos na TV, a falta de touca, comida de rua, etc. Produzir alimentos não é um parque de diversões, um passatempo. Uma contaminação individual ou em cadeia gera danos imensuráveis. Maioneses, folhas, utensílios e equipamentos, qualquer um deles pode ser meio de transmissão de uma bactéria. A Agencia Nacional de Vigilância Sanitária exige dentre suas regulamentações, a necessidade de ter em qualquer meio de processamento e/ou produção de alimentos, o Manual de Boas Práticas de Produção (MBP) RDC ANVISA nº 216/04. Neste documento estão descritas as atividades e procedimentos que as empresas que produzem, manipulam, transportam, armazenam e/ou comercializam alimentos, adotam para garantir que os alimentos produzidos tenham segurança e qualidade sanitária aos seus consumidores. Qualquer um está enquadrado nesta regulamentação.

Outro aspecto de segurança é o treinamento das pessoas que manipulam os alimentos. Estes profissionais precisam estar capacitados  afim de garantir o MBP. Existem diversos cursos, inclusive da própria ANVISA em seu site. O curso capacita o manipulador  de alimentos a aperfeiçoar o controle sobre requisitos na categorização dos alimentos, reduzindo assim as doenças associados ao consumo. São diversas normas que protegem o consumidor de alimentos, todas reguladas pela ANVISA e de obrigatoriedade do fornecedor de alimentos em canvisaumpri-las. Todas estas exigências criam um outro fator, a RESPONSABILIDADE CIVIL de quem responde por todos os produtos alimentícios oferecidos ao publico.

 

O que é Responsabilidade Civil?

Responsabilidade Civil quer dizer que você, eu, qualquer pessoa, qualquer empresa, tem o DEVER, a OBRIGAÇÃO de indenizar, de reparar, qualquer dano que seja causado a quem consumiu o seu produto ou usou o seu serviço.

Faço uma pergunta: “como você viveria sabendo que uma ou mais pessoas morreram ou ficaram doentes porque comeram um alimento que você produziu ? Já pensou uma criança morrer ou ir parar em um hospital, intoxicada, porque comeu o bolo ou a coxinha que você fez ? Ou uma pessoa alérgica a determinado ingrediente passou mal porque você não informou corretamente os ingredientes na sua etiqueta ? ”

19174044-jpegA qualquer momento todo e qualquer cliente tem o direito garantido por lei a solicitar registros, documentos, procedimentos que lhe garantam segurança nos produtos que estão consumindo. A indústria alimentícia é fiscalizada através de selos como Serviço de Inspeção Federal (S.I.F.) e Inspeção de Produtos de Origem Animal (D.I.P.O.A), então concordo que a rede de alimentação final (restaurantes, bares, lanchonetes, buffets, serviços individuais como marmita, encomendas e personal chef) devam estar dentro das exigências relativas à estas atividades.  Independente do porte, produtos e insumos, manipuladores e principalmente quem responde ou “assina” o produto ou serviço, devem seguir e responder as leis vigentes. Ganham todos.

Voltando ao topo deste texto, degustar um lombo suíno ao molho de laranja com nozes acompanhado com um arroz de brócolis e salada de feijão fradinho, sabendo que além do sabor e aromas, todo que envolve sua preparação, será com certeza uma experiência agradável, sem sustos ou traumas.

 

Fonte: http://www.agricultura.gov.br

http://www.anvisa.gov.br

http://www.cozinhadoquintal.com.br

http://www.crn4.org.br